Jul 20

O Dia do Curinga – Jostein Gaarder

o-dia-do-curinga-capa

Alguns meses atrás ganhei um livro de presente: O Dia do Curinga, escrito por Jostein Gaarder. Terminei finalmente de lê-lo essa semana e, para mim, se trata não apenas de uma grande obra do mesmo autor de “O Mundo de Sofia”, mas também de um dos livros mais esclarecedores sobre a vida, o universo e tudo mais – num sentido não-Douglas Adams.

Jostein Gaarder nasceu na Noruega e estudou filosofia, teologia e literatura. Ele buscava escrever um livro que servisse de introdução ao pensamento filosófico, mas que fosse simples o suficiente para que até uma criança – não um idiota – pudesse entrar no mundo da filosofia. Com isso ele não apresenta, como costumam fazer as escolas, uma gama de filósofos e seus pensamentos, sejam pormenorizados ou generalizados. Apresenta sim pensamentos de Sócrates e de outros que contribuíram para as bases da temática, mas tem foco no raciocínio filosófico, no método.

Read the rest of this entry »

Mar 08

The Legend of Zelda – A Link Between Worlds (3DS)

Eu comprei três jogos de 3DS na Amazon por £20,00. Era uma promoção em que eu podia escolher 3 jogos de uma lista limitada. Acabei pegando Star Fox 3D, Castlevania: Lords of Shadow – Mirror of Fate e Rhythm Thief & The Emperor’s Treasure. Zerei os dois primeiros, não gostei de nenhum deles e resolvi vendê-los. Só que se eu trocasse por outro jogo eles valeriam mais dinheiro na loja. Eu ia pegar Bravely Default, mas sabia que não iria vendê-lo no futuro. Então acabei pegando o The Legend of Zelda – A Link Between Worlds, porque o valor de revenda dele era alto e eu sabia que ele é curtinho. Foi quase como um aluguel sem tempo pra entregar. E agora eu acho que não vou vendê-lo, porque muita gente teve a mesma ideia e o valor de revenda dele foi lá pra baixo… Mas ainda comprarei o Bravely Default.

Meu Zelda preditelo sempre foi A Link to the Past. Conheci ele na quinta série. Alguns amigos tiveram o cartucho, mas eu mesmo tinha um Mega Drive, então não tinha como pedir emprestado. Acho que foi até antes da quinta série, mas o boom mesmo aconteceu lá. E foi graças aos emuladores. Todo mundo se juntava pra tentar passar determinadas partes. Ninguém sabia inglês, então simplesmente achar a passagem secreta no castelo, bem no comecinho, já foi um sacrifício. Ainda assim todo mundo se amarrava. O jogo era um deslumbre visual, com seu estilo único fácil de reconhecer. Ainda hoje Hyrule como um todo é um cenário que acho fantástico.

gfs_23204_2_1

Imbatível.

Read the rest of this entry »

Feb 12

Lugar nenhum – Neil Gaiman

Neverwhere-capa

Qual a semelhança entre estações de metrô, Atlântida, poderes mágicos, ratos falantes e um possível apocalipse? A resposta é Neil Gaiman. Em 1996 Neil Gaiman escreveu para a BBC o roteiro de uma minissérie de televisão chamada “Neverwhere”, que foi também adaptada para um livro pelo próprio Gaiman no mesmo ano. Traduzida como “Lugar nenhum”, a obra traz o excelente estilo 50% louco, 50% irônico e 140% envolvente que é típico do escritor.

A história começa com a vida normal de Richard Mayhew. Funcionário engravatado de uma empresa londrina nos anos 90, embora tenha crescido no interior da Inglaterra, ele acorda cedo, pega o metrô, bebe do café ou do chá horrível do escritório, sai com a noiva para se divertir e faz tudo que se pode considerar normal. Uma noite, porém, acompanhado pela noiva e no caminho para um restaurante, ele encontra uma jovem caída na calçada, sangrando. Apesar da insistência de sua noiva, Jessica, para que deixe a garota que mais parece uma mendiga, Richard resolve ligar para a emergência. A garota, semi-consciente, implora para que ele apenas a deixe descansar e que a tire dali pois ela corre perigo. O funcionário pacato acaba aceitando, levando a garota para casa na esperança de protegê-la e cuidar dela, mesmo com Jessica dizendo que isso representaria o fim do noivado.

Read the rest of this entry »

Jan 20

O Castelo – Franz Kafka

Em uma das muitas visitas que fiz a livrarias, quase à meia-luz típica de tais estabelecimentos quando querem se fazer requintados, encontrei sobre uma pilha de livros desarrumada, uma edição integral da Abril de “O Castelo” (Das Schloss), escrito por Franz Kafka. Não resisti a comprar aquela preciosidade de capa dura e preta, com letras douradas e do tamanho de um pocket.

Nascido em 1883 na cidade de Praga, Áustria-Hungria (atual República Tcheca), o autor é bem conhecido pelo estilo surreal de suas histórias. Exemplo disso são “O Processo”, o tão conhecido “A Metamorfose” e, claro, “O Castelo.” No primeiro ele trata de um indivíduo que está sendo processado mas nunca lhe é revelado o porque. Já no segundo narra a história de um homem que se transforma em uma criatura semelhante a um inseto. Essas duas histórias foram produzidas por volta de 1915, quando a primeira guerra mundial já começara a assolar a Europa.

Read the rest of this entry »

Jan 15

Menina do Tempo

"A ironia de se viver num lugar inito, estando acorrentado a uma servidão milenar. de manusear a vida de todos os seres, mas nascer e morrer sozinho. De ser um guardião do tempo, e não ter tempo pra viver. Isso é a realidade de todas as Meninas do Tempo. Todas exceto Carttier."

“A ironia de se viver num lugar infinito, estando acorrentado a uma servidão milenar. De manusear a vida de todos os seres, mas nascer e morrer sozinho. De ser um guardião do tempo, e não ter tempo pra viver. Isso é a realidade de todas as Meninas do Tempo. Todas exceto Carttier.”

Em novembro de 2013 ocorreu em Belo Horizonte a oitava edição do Festival Internacional de Quadrinhos (ou FIQ para os íntimos). Tanto visando prestigiar alguns amigos meus, estudantes de cinema de animação na Universidade Federal de Minas Gerais, quanto adquirir um volume do mangá que tantas vezes vi eles trabalhando, fui ao festival.

Comprei lá um exemplar de “Menina do Tempo”, com arte de Delvan Souza, argumento de Giovanna Bianchini e a colaboração de Daniel Medina e de Fernanda Mamede, entre outros. Conheço esse pessoal e sei que o trabalho deles não iria desapontar.

Read the rest of this entry »

Dec 24

Animações em 2014

2014 parece um ano promissor pros fãs de animação. Não vou postar todos os trailers de filmes, principalmente porque muitos simplesmente não me interessam, mas vou deixar o trailer de alguns que quero conferir no cinema:

Mr Peabody & Sherman (Dreaworks)

Baseado numa série antiga que nunca vi por causa de um erro primordial em nosso universo: há séries antigas e interessantes demais, e pouco tempo pra ver todas. É uma série da década de 60 focada em viagens no tempo e nerds. Um período onde nerds eram zoados e viagens do tempo eram consideradas coisas de… nerds. Não sei se o filme será bom. Não sei se será original. Mas é um jeitinho de conhecer o universo criado pra série animada, por isso tenho esperanças que será fiel.

Read the rest of this entry »

Dec 21

Lud-in-the-Mist – Hope Mirrless

A primeira vez que ouvi falar de Lud-in-the-Mist certamente foi devido a um comentário do Neil Gaiman. Ele frequentemente cita este livro como seu favorito. Sabe quando você nunca tinha notado algo, e de repente começa a reparar que você sempre teve certo contato com esta coisa? Como quando você procura o significado de uma palavra no dicionário, e a partir de então começa a ver ela escrita por todo lugar? Aconteceu isto comigo em relação a Lud-in-the-Mist. O livro é citado como influência para Suzanna Clarke, autora de Jonathan Strange & Mister Norrel. Está na coleção Ballantine Adult Fantasy Books e também na Fantasy Masterworks. Quando entrou em promoção na Kindle Store eu não pensei duas vezes, e fiz a compra.

Quando se pensa em um livro de fantasia há coisas que temos por garantido. Por mais que a gente defenda que o gênero não se resume a clichês, eles são muito presentes. A jornada de um menino para se tornar homem. Guerras. Alguém quer usar algum item mágico para o mal. Escapismo. O herói é desacreditado pela sociedade, e só seus amigos diretos o apoiam o veem a importância do que está fazendo. O próprio clima de aventura. E por aí vai.

lud_in_the_mist Read the rest of this entry »

Dec 18

Offspring Fling! (PC)

Quando ganhei meu primeiro Mega Drive (o modelo III, lá no meio da década de 90), ele veio com uma fita de 10 jogos. Entre pérolas como Sonic The Hedgehog e Revenge of the Shinobi era fácil de entender porque eu não gostava de Flicky. O visual era simples demais, as músicas muito estridentes, e o objetivo muito simplório. Mas depois de zerar todos os outros jogos comecei a ver o desafio que o jogo de arcade oferecia. Então nos momentos de tédio eu ia jogar Flicky, tentando fazer as coisas o mais perfeitamente possivel, decorando rotas, descobrindo segredos. E eu fui melhorando com o passar do tempo…

Meus dedos decoraram as fases de Flicky

Meus dedos decoraram as fases de Flicky

Resultado: eu consegui zerar Flicky sem morrer nenhuma vez. E até hoje eu decorei quase todas as fases. Uma vez vi um TAS no youtube e eu consigo fazer o mesmo que o cara na maioria das fases.

Read the rest of this entry »

Dec 15

O Drácula

http://2.bp.blogspot.com/-SoNAqCcHuLY/UWB4OgskJhI/AAAAAAAAHf4/9zDHSGdJYgo/s1600/Bram+Stoker+Dracula++livro.jpg

Há um bom tempo atrás eu ouvi de um tio a história do Drácula. Não o Drácula adaptado e distorcido, escarrado pela mídia sob as mais bizarras formas, mas sim o verdadeiro vampiro do fundo dos séculos. Na época ele me narrou somente a versão do filme de 1992, “Bram Stoker’s Dracula”. Mas eu pretendia, algum dia, ler o livro. Finalmente consegui uma edição da L&PM que me dispus a ler assim que a faculdade permitisse e posso considerar o titulo um dos melhores que já tive o prazer de ler.

Originalmente publicado em 1897, o livro é narrado em diversas primeiras pessoas, pois é semelhante a uma coleção de cartas entre alguns personagens e, também, algumas notas importantes. O autor soube manusear isso muito bem, de modo que ao ler as cartas e notas é possível construir uma versão eficaz da história.

Read the rest of this entry »

Dec 07

Nova Editora de Fantasia Aportou no Brasil!

Não, este post não é patrocinado. O pessoal da editora nem mesmo entrou em contato, fiquei sabendo por acaso da novidade mesmo. Mas é tão legal que eu tenho que compartilhar :P

Em 2010 a Leya chegou ao Brasil. Uma editora portuguesa que apostou em livros de fantasia e tenho certeza que teve um excelente retorno. Inclusive está bancando obras nacionais agora. Não as li, mas tenho altas esperanças.

Acontece que outra editora portuguesa aportou aqui. A Saída de Emergência chegou com estilo, e pelo que entendi ela é especializada em literatura de fantasia. Lançou Mago – Aprendiz e A Corte do Ar,e já prometeu outros livros

Read the rest of this entry »

Older posts «