bastion-cd-capa

SoundTest: Bastion

Bastion-logo

Eu fiquei um bom tempo sem trabalhar nessa coluna do blog e agora pretendo retomar.

Imagine um mundo místico, com uma grande história que ninguém nunca mais irá contar. Um mundo aonde a civilização utiliza cristais para alimentar máquinas que manterão as cidades flutuando fora do alcance de monstros. Um dos melhores jogos hipsters indies que eu já joguei é sem dúvida o pouco conhecido Bastion, da independente SuperGiant. Eu definitivamente quero fazer uma review sobre o jogo, mas… isto é um SoundTest. A trilha do jogo é obra de Darren Korb, diretor de áudio e música e a “banda de um homem só” que trabalhou em todos os efeitos sonoros e músicas do jogo, além de dirigir a gravação da narração – sim, o jogo é epicamente narrado por uma voz grave, que mais parece de alguém que já sofreu muito na vida e está a fim de contar uma história. Segundo o próprio Korb, o estilo das músicas é “acoustic frontier trip-hop”, embora pra mim pareça com “acústico regional oriental hip hop do velho oeste”. Interessante, não?

“A Proper Story” é uma das minhas músicas favoritas de Bastion. É uma mistura frenética pouco comum de violão com uma batida eletrônica e arranjos de instrumentos orientais e eletrônicos. No mínimo, exótica. Outra música interessante é “The Sole Regret”, que explora uma introdução de guitarra que lembra os cenários de faroeste e parece ter sido gravada em fita cassete. Ela tem ainda arranjos em cítara e é ritmada eletronicamente. Sem dúvida, transmite muita tensão – combinando com a fase do jogo. Semelhante, temos “Percy’s Escape”, uma das mais agitadas. Utilizando um ritmo elétrico e solos de violino que variam entre parecer sair de um gramofone ou de um instrumento ao vivo. “Slinger’s Song”, no entanto, parece ter sido feita para um filme de cowboys. Possuindo todos os elementos de um clássico tema ‘western’, é difícil não ouvi-la e imaginar um duelo de pistoleiros ao meio dia em frente a igreja de uma pequena cidade do Novo México em 1872 (Ok, talvez não tão específico).

Existem somente três músicas feitas por Korb para o jogo que possuem letra, embora haja uma quarta música que é encontrada somente no CD com a trilha sonora original. Uma delas é “Build That Wall”, tema da personagem Zia. Consiste no simples violão e voz, mas… é incrivelmente bem tocada, mesmo que de uma forma um pouco triste. “Mother, I’m here”, tema do personagem Zulf se assemelha a “Build That Wall”, embora seja muito mais triste, com ritmo lento e as vezes até arrastado, como se o vocalista estivesse sem forças para continuar. Essa particularidade da canção tem relação com a história de Zulf e o seu papel na história. Já “Setting Sail, Coming Home” é uma fusão entre os temas da Zia e do Zulf, sendo que ambos cantam partes iguais ou diferentes na música ao mesmo tempo sem que a harmonia fique prejudicada. Por fim, para quem curtiu a narração estilo ‘Sin City’, há uma faixa especial no CD da OST interpretada pelo narrador e personagem, Rucks. Denominada “The Pantheon (Ain’t Gonna Catch You)”, a balada leva somente violão e a voz poderosa de Rucks. Abaixo, segue a primeira – e épica – estrofe.

Gods ain’t gonna help you son

You’ll be sorry for what you done

Them gods gonna hurt you son

When you play with a loaded gun


One comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *