DragonBall

Dragon Ball: Revenge of King Piccolo – Wii

Gosto muito de Dragon Ball. Quando criança não conseguia me decidir entre Dragon Ball e Fly (Dragon Quest), mas Fly acabou, e conforme fui crescendo passer a acompanhar religiosamente os episódios de Dragon Ball Z. Era uma bagunça só. Dragon Ball foi do SBT, depois passou pra Globo… A Band tinha a primeira fase de Dragon Ball Z e a Globo tinha as fases posteriores. Dava pra assistir o Goku contra os andróides na Globo na hora do almoço e o Goku contra o Frieza na Band de tarde :D Eram reprises intermináveis, e se passou muito tempo até Dragon Ball GT chegar na TV aberta…

Nos videogames nunca fui muito feliz com a série. Os RPGs eram tediosos, os jogos de luta e os adventures mal feitos. Minha opinião só foi mudar com Dragon Ball Budokai Tenkaichi, a excelente série de pancadaria em 3D pro Playstation 2 com centenas de personagens. O GBA também recebeu um jogo muito bom, Dragon Ball Advanced Adventure. Mistura de beat ’em up com plataforma, jogo de luta e shmup que incrivelmente deu certo. E o DS recebeu os divertidos Dragon Ball Origin 1 e 2.

Pro Wii há dois Budokai Tenkaichi, meros portes do PS2 com algumas firulas a mais. E um que trata da história do Goku pequeno. Revenge of the King Piccolo felizmente publicado neste lado do mundo, com poucos meses de atraso desde seu lançamento no Japão. Há áudio em inglês e japonês, e legenda em inglês. É praticamente uma versão mais robusta do Dragon Ball Advanced Adventure, o que é uma ótima notícia.

O visual é bem agradável. Os gráficos em cell-shadding estão detalhados, a movimentação é fluida e a animação também. Os cenários tem cores mais mais claras, são bem detalhados e não atrapalham a ação. Infelizmente não dá para destruí-los e são pouco animados. As CGs são renderizadas na engine do jogo. Pro nível do Wii o visual está excelente. Os sons e dublagens são bem trabalhados e arrancam risadas de vez em quando. Os diálogos acontecem com imagens estáticas dos personagens ao lado do texto demonstrando emoções, como é comum em visual novels e em alguns jRPGs.

Revenge of the King Piccolo vai desde o primeiro encontro de Bulma com Goku até a luta final contra Piccolo Daimaoh. Nem tudo foi adaptado com exatidão. Dragon Ball se apóia muito no humor, principalmente no começo. E o humor não é muito bem trabalhado em jogos, com raras exceções. Algumas lutas tem desfechos diferentes, e muita coisa foi simplificada ou ficou de fora. A parte final do jogo – a partir do torneio de artes marciais em que Goku luta com Ten Shinhan – acontece rápido demais. A impressão é que os desenvolvedores desanimaram do jogo pela metade, e queriam acabar tudo o mais rápido possível.

Dragon Ball – Revenge of King Piccolo se divide em dois estilos distintos: um beat ’em up 2.5 D e um jogo de luta. Ambos são muito sólidos e bem trabalhados. No beat ’em up a movimentação da câmera e os mapas são bem trabalhados, cheios de segredos e itens escondidos. Já a parte de luta tem movimentação dentro de uma área circular restrita. Não é possivel voar, mas há combos, golpes variados, defesas e muita coisa pra adicionar um pouco de profundidade. Goku só tem o kamehameha de poder especial. Os quick time events foram implementados, mas são breves e divertidos. No modo torneio do menu principal dá para jogar com vários personagens, e há muitos desbloqueáveis.

Há suporte para o Wii Motion + Nunchuck, Classic Controller e para o controle de Game Cube. Dá para comprar upgrades, músicas, modelos 3D, videos e mais com os pontos ganhos durante as fases. É um jogo bem completo e que rende boas horas de diversão, e não apenas um caça-níquel feito sobre uma franquia famosa. Vale a pena experimentar.

One comment

  1. Joguei muito pouco este jogo, mas achei ele divertido! Se a minha fila de jogos não estivesse tão grande, eu talvez já teria terminado.
    É uma pena que os desenvolvedores de jogos não consigam fazer algo apoiado no humor, a melhor parte de toda saga de Dragon Ball é justamente a parte antes do “Z”. Se conseguissem fazer um jogo tão cômico quanto seria genial!
    Belo texto.
    Abraço.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *