[Creepypasta] O caso da Paula

Estava por aí olhando a internet quando achei um creepypasta de Earthbound. Ele foi postado originalmente no Fórum Vale-Tudo do Uol Jogos, pelo user William P. como um pedido de ajuda. Como sempre gostei de creepys, achei que talvez fosse legal dividir isso.

Por favor, me ajudem! Estou divulgando isso porque estou desesperado. Uma amiga minha chamada Paula desapareceu na semana passada e a única pista que tenho é o notebook dela, encontrado descarregado no banheiro pelos pais, que também estão completamente desesperados.
Como sempre fomos muito amigos, eu tinha a senha do Facebook dela e imaginei que fosse a mesma do notebook e tive a sorte de estar certo. Então eu liguei ele para ver se encontrava alguma pista, qualquer coisa. Tudo estava normal, tirando uma coisa: O desktop dela, que sempre foi cheio de jogos, tinha apenas uma imagem chamada I see you e um texto incompleto que vou mostrar agora para vocês:

Meu nome é Paula, tenho 21 anos e digamos que eu possa me considerar gamer, escrevo esse texto para que alguém possa me ajudar de alguma forma, estou desesperada, aqui contarei o que aconteceu comigo nos últimos meses, bem, eu sempre gostei dos consoles da Nintendo e há dois meses, no dia do meu aniversário, um amigo muito próximo meu resolveu me presentear com um jogo que eu gostava muito: Earthbound.
Até ai tudo ótimo, fiquei feliz pois adorava o jogo e já tinha zerado ele uma vez. Como eu tinha o final de semana todo livre eu dividia entre sair com meus amigos e jogar um pouco para relembrar minha infância, mas coisas estranhas começaram a acontecer desde então.
O primeiro dia, tirei meu SNES empoeirado do armário e abri um sorriso, senti um sentimento de nostalgia enorme, soprei a fita só pra sentir de novo a emoção de começar um jogo e a coloquei no console. Tudo normal até ai, o jogo rodava perfeitamente.
A medida que ia jogando, ia ficando mais viciada e em todo tempo livre que tinha eu jogava, as vezes faltava a faculdade e me trancava no quarto. Minha mãe começou a me encher muito, falando que eu estava exagerando e que meu comportamento tinha mudado, antes eu me revoltava com ela, agora eu vejo como mudei.
Primeira semana foi uma maravilha, não sentia dificuldades por já lembrar bem das coisas do jogo, na segunda semana ele começou a travar, as vezes eu tinha que desligar e soprar a fita várias vezes. E com as travadas vieram os pesadelos.
Eram pesadelos que eu nunca tive antes, eu estava em uma espécie de maca, tinha fios e canos por toda parte, sentia algo gelado arrepiando meu pescoço e algumas pontadas na mão. Acordava com marcas, furos nas costas da minha mão e nos meus pulsos. No começo nem liguei, os furos eram pequenos e pareciam picadas de insetos.
Já nas outras semanas eu ouvia sussurros, por toda a parte, não só quando eu estava dormindo, pareciam chamar meu nome, isso me dava um medo insano, uma paranoia estranha. Eu não tinha associado isso ao jogo de primeira, pois ele continuava normal, mas comecei a relacionar logo quando estava chegando perto do fim.
O jogo tinha algumas cenas que eu não me lembrava que tinham, como aparições da personagem Paula (minha xará) em lugares que ela normalmente não aparecia no jogo, e ela simplesmente estava lá, parada, sem fazer nada, não era possível interagir de forma nenhuma com ela. Outras cenas ela apenas falava: I see you.
Era hora da batalha contra o Giygas, de acordo com muitos, um dos chefões mais perturbadores do mundo dos games, para mim era apenas um boss normal. Resolvi fazer algo de diferente, coloquei meu dvd player para gravar a luta. Quando subi o caminho orgânico em direção ao Giygas, esperando a aparição de Pork, me surpreendi quando vi a Paula para lá, do mesmo jeito que tinha visto em outros lugares do game. Não tinha como passar daquela parte do jogo, já estava quase desistindo quando a Paula resolveu falar, mas era uma voz mesmo, e surgia da minha cabeça, dizia: I see you.
O jogo pulou direto para a batalha contra o Giygas. Parecia tudo normal, mas eu já estava tremendo de medo e pensando em desligar tudo, mas algo me mantinha ali, parada, apertando os botões, algo me movia a derrotar o Giygas. Percebi que algumas opções de batalha sumiam a cada turno, e depois apareciam, isso atrasava um pouco minha luta contra ele, mas como isso só acontecia quando dava umas travadas, resolvi relevar. Eu estava perdendo muito HP, tinha quase certeza que não ia conseguir derrotá-lo, fui ficando nervosa, com medo, as vezes levava o dedo para desligar a tv mas hesitava, comecei a suar frio, uma das opções na luta contra o Giygas era o Pray, e essa opção só começou a aparecer quando eu estava quase para perder, cliquei nela e comecei a realmente rezar para que tudo aquilo passasse e eu pudesse ter minha vida normal de novo, fui ficando cada vez mais tonta, algo estranho parecia percorrer minhas veias, o sussuros voltaram, acabei adormecendo.
Não sei quanto tempo passei dormindo, mas tive pesadelos que me deixaram perturbada, era uma parede com sangues por toda parte, barulhos de facas, coisas cortantes. Acordei e rapidamente olhei para a tela de jogo, aquilo me assustou e abafei um grito. Era a personagem Paula, toda ensanguentada, parecia olhar para mim, apesar da baixa qualidade gráfica do jogo, podia-se perceber uma cara de desespero, comecei a chorar de medo e desespero, aquilo não era normal, tudo parecia um sonho, o jogo desligou sozinho e então vi uma luz no teto, parecia querer me puxar, corri desesperada para a sala, apesar de desconhecer o que era aquilo, minha mente pensava o tempo todo: são eles, eles que vieram te buscar. Eu não parava de chorar, minha mãe ainda não tinha chegado do trabalho e eu sentia que podia ser sequestrada a qualquer momento, a primeira reação foi tentar ligar para alguém, meu celular não pegou, então corri com o notebook para o banheiro para escrever essa mensagem, preciso d

http://img827.imageshack.us/img827/7395/iseeyouc.jpg
http://img560.imageshack.us/img560/1747/desktopru.jpg

One comment

  1. Uau. Já joguei Earthbound mas parei porque estava ficando entediante. Parei na parte onde haviam múmias, egito, areia, deserto, etc… As vezes o jogo parecia bem macabro mesmo, embora nunca tenha visto nenhuma luz maluca, voz terrivel ou qualquer coisa Twilight Zone/Goosebumps no game.

    I see you.
    I see you too!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *