Beasts-of-No-Nation

Beasts of no nation – Uzodinma Iweala

Beasts-of-No-Nation

Quando um colega meu ia jogar alguns livros fora, eu pedi que ele os desse para mim. No meio deles estava um pequeno livro, bem encapado pela Harper-Collins e com letras cor de cobre na lombada. A edição de apenas 140 páginas era de “Beasts of no Nation”, de Uzodinma Iweala. A obra, em inglês, mostrou-se um verdadeiro retrato da guerra, do sofrimento e do desespero.

A história se passa em um país africano cujo nome não é citado em momento algum. Em uma pequena cidade morava Agu e sua família, mas com a queda do governo instaurou-se o caos e a guerra. A mãe e a irmã do garoto fogem com ajuda de organizações internacionais, mas os homens ficam e, durante um ataque, o pai de Agu morre e ele foge. O começo do livro mostra quando Agu é captura por uma tropa de guerrilheiros e, após um brutal espancamento, é forçado a se tornar um soldado.

A descrição feita pelo jovem soldado é simples, recorrendo a várias analogias e lembranças do seu passado. Ele narra algumas mortes e estupros que presenciou, batalhas em que lutou e a terra arrasada que deixou para trás. O chefe da tropa é chamado apenas de “Comandante”. Ele criou em Agu o medo que fez a criança, as vezes tão humana quando relembra dos pais e da infância, se tornar um ser apavorado com a sombra da morte em cada arbusto da estrada.

O garoto faz várias reflexões sobre a própria situação, usando de uma simplicidade de raciocínio que seriam típicas da infância. Às vezes ele diz pra si mesmo que não pode chorar, pois soldado não chora. Tenta sempre não demonstrar tristeza, pois o Comandante diz que isso faz soldados ruins. Ele quer ir para casa, mas entende que para fazer isso a guerra tem que terminar e, para viver até lá, ele tem que sobreviver.

A guerra mostra-se um reino de loucos raivosos. A descrição é muito seca quanto aos acontecimentos, sendo quase mórbida, indiferente e visceral. Não é uma guerra entre exércitos bem preparados, mas sim uma sanguinolenta carnificina de inocentes por homens armados com facões e armas de fogo, nutridos pelo ódio e pelo medo. Eu diria que as 140 páginas poderiam facilmente ser escritas com letras vermelhas, retratando uma realidade tão ignorada quanto difícil de ser mudada.

Uzodinma Iweala é sociólogo e médico nos Estados Unidos e na Nigéria. Beasts of No Nation foi publicado em português com o título de “Feras de Lugar Nenhum” e foi anunciada a produção de uma adaptação para o cinema em 2015 mesmo.

class3

 

UPDATE: Trailer do filme, produzido pelo NetFlix

[youtube www.youtube.com/watch?v=k3SetKgjSn8]

One comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *