Carcereiros

Carcereiros – Drauzio Varella

Acredito que todos conheçam o Drauzio Varella. O médico é famoso nacionalmente pelos seus diversos programas na TV. E obteve fama antes disso pelo livro Estação Carandiru, onde conta a história do massacre ocorrido em 1992 e que foi adaptado numa série de TV e num filme. Pra quem não conhece a história é basicamente esta: houve uma briga dentre de um pavilhão da cadeia. Os presos se rebelaram mas cometeram um erro que custou caro: não fizeram reféns. Isso os deixou a mercê dos policiais militares. Eles (uso o plural pois obviamente ninguém admite ter dado ordens) decidiram invadir o pavilhão a noite com cachorros e metralhadoras com o objetivo simples de matar algumas pessoas por diversão. O resultado do ato covarde foi a morte de 111 presos, uma repercussão pesada mundo afora e o domínio total dos presídios por uma facção criminosa anos depois.

Drauzio pode narrar o ocorrido por fazer trabalhos voluntários em presídios há décadas, em especial no Carandiru. E seus anos de história renderam seu mais novo livro, Carcereiros, contando histórias que vivenciou ou foram relatadas pelos seus companheiros no presídio. Com seu estilo direto e simples de relatar as coisas o médico escreveu contos que relatam as mazelas e alegrias de pessoas que convivem com riscos de morte diários em um ambiente opressivo e dominado pela miséria e pobreza.

Como o autor revela na introdução ele e os carcereiros se tornaram bons amigos, a ponto de saírem em datas marcadas pra beber em um bar e contar histórias. Muitos viajam do interior só para comparecer às reuniões. E o convívio mudou profundamente o autor. Lendo os contos dá pra compreender o porquê. Quando a vida humana é usada como moeda – e tem um valor irrisório – não há como não repensar tudo que acontece ao nosso redor.

São histórias de como alguns carcereiros desarmados conseguiram controlar a revolta de uma multidão de presos enraivecidos. Ou de um carcereiro que parou de torturar um preso para impedir o suicídio de outro e logo em seguida volta para terminar de torturar o primeiro. Ou de um jovem que passou no concurso público, começou a trabalhar e pouco tempo depois foi pego traficando droga pra cadeia – passou de um lado das grades pro outro. E vários outros relatos que surpreendem o leitor mas passam a impressão de serem rotineiros no ambiente que vivem. Muitos passam a impressão de serem fictícios, de tão espetaculares e inesperadas são os fatos relatados.

Carcereiros tem defesas interessantes de várias teorias do Dráuzio, e várias críticas também. Felizmente boa parte disto é facilmente encontrado em suas entrevistas – recomendo uma do Roda Viva disponível no youtube que é excelente. O grande destaque mesmo fica por conta das histórias cotidianas e que nos fazem pensar no ser humano em si e no que ele é capaz – seja para um lado ou para o outro. Carcereiros é um livro de leitura fácil que trata de assuntos tão profundos e complexos quanto o próprio ser humano. Pra quem se interessa por pessoas é absolutamente imperdível.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *