Jonathan Strange Thumb copy

Jonathan Strange & Mr Norrel

Vou traduzir as resenhas dos livros de fantasia do site AwardAnnals . Como ele funciona em um estilo de wiki, não consegui achar as licenças usadas nem como entrar em contato mas acho que traduções do material são permitidas. De todo modo, publico estas traduções com a intenção de divulgar a literatura de fantasia no Brasil. O textos de lá virá entre aspas, e vou traduzir uma resenha de cada vez. O primeiro é Jonathan Strange & Mr Norrel.

“Magos ingleses já foram a maravilha do mundo conhecido, com fadas serviçais que atendiam a seu chamado; eles podiam comandar ventos, montanhas e florestas. Mas no começo de 1800 começaram a perder a habilidade de fazer magia. Eles apenas escreviam longos e enfadonhos artigos sobre a magia, e serviçais fadas não eram nada mais que uma memória se apagando.

Mas em Hurtfew Abbey, Yorkshire, o rico e recluso Mr Norrel reuniu uma maravilhosa biblioteca de livros perdidos e esquecidos sobre o passado mágico da Inglaterra, e recuperou alguns dos poderes dos magos ingleses. Ele vai para Londres e trás uma bela jovem dos mortos. Rapidamente ele começa a ajudar o governo na guerra contra Napoleão Bonaparte, criando frotas de navios fantasmas para confundir e alarmar a França

Tudo vai bem até que um mago rival aparece. Jonathan Strange é belo, encantador e falante – o oposto exato de Mr Norrel. Strange não pensa a respeito de aumentar os rigores da campanha com o exército de Wellington e fazer magia nos campos de batalha. Surpreso de encontrar outro praticante de magia, Mr Norrel aceita Strange como seu pupilo. Mas logo fica claro que suas idéias sobre como a magia inglesa deve ser são muito diferentes. Para Mr Norrel o poder é algo para ser cautelosamente calculado, enquanto Jonathan Strange é sempre atraído pelas mais selvagens e perigosas formas de magia. Ele se torna fascinado pela antiga e sombria figura do Rei Corvo, uma criança pega pelas fadas que se tornou rei tanto da Inglaterra como de Faerie, e o mais lendário mago de todos os tempos. Eventualmente sua procura negligente pela magia há muito esquecida vai destruir não apenas sua parceria com Norrel, mas tudo que ele gosta.

Sofisticado, espirituoso e ingenuamente convincente, a magistral novela de Susanna Clarke tece a magia em uma impecavelmente detalhada visão da Inglaterra histórica. Ela criou um mundo tão completamente encantador que oitocentas páginas deixam o leitor saudosos por mais.”

2 comments

    1. Valeu por avisar. Se bem entendi isso significa que posso traduzir o conteúdo e postá-lo aqui, se mantiver a mesma licença ^^ Vou colocar um aviso no post em relação a licença ShareAlike.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *