O Drácula

http://2.bp.blogspot.com/-SoNAqCcHuLY/UWB4OgskJhI/AAAAAAAAHf4/9zDHSGdJYgo/s1600/Bram+Stoker+Dracula++livro.jpg

Há um bom tempo atrás eu ouvi de um tio a história do Drácula. Não o Drácula adaptado e distorcido, escarrado pela mídia sob as mais bizarras formas, mas sim o verdadeiro vampiro do fundo dos séculos. Na época ele me narrou somente a versão do filme de 1992, “Bram Stoker’s Dracula”. Mas eu pretendia, algum dia, ler o livro. Finalmente consegui uma edição da L&PM que me dispus a ler assim que a faculdade permitisse e posso considerar o titulo um dos melhores que já tive o prazer de ler.

Originalmente publicado em 1897, o livro é narrado em diversas primeiras pessoas, pois é semelhante a uma coleção de cartas entre alguns personagens e, também, algumas notas importantes. O autor soube manusear isso muito bem, de modo que ao ler as cartas e notas é possível construir uma versão eficaz da história.

O Drácula começa com Jonathan Harker viajando a Transilvânia para negociar a venda de um terreno na Inglaterra ao Conde Drácula. A descrição da viagem e do castelo é de perder o fôlego e deixar qualquer um preso as páginas. A ambientação criada por Stoker é simplesmente assustadora, não deixando de fazer com que o próprio leitor se sinta perdido e solitário em uma carruagem a noite nas paisagens ermas dos bosques nevados da Transilvânia, com um cocheiro de olhos vermelhos silencioso e o uivar dos lobos não muito longe. O castelo mal cuidado do conde, desprovido de servos e faxineiros, tambem é descrito de forma notável. Durante suas andanças escondidas pelo castelo Harker é capaz de narrar o que vê de tal forma que chega a ser quase possível sentir as pedras frias das velhas paredes da fortaleza.

O interessante é que mesmo para quem não conhece a história, mas sabe sobre as lendas dos vampiros, é possível se deliciar vendo tais lendas serem retratadas ao longo da história. O fato do vampiro entrar em chamas a luz do sol, não possuir reflexo, evitar água benta e outros itens abençoados é mostrado aos poucos, com maestria. Outros importantes personagens são Mina Harker, noiva/esposa de Jonathan que terá importante papel no desenrolar da trama. É graças as anotações dela que grande parte da história flui e muitas pistas são descobertas. Outro personagem é o Dr. Abraham Van Helsing, que ao contrário do Van Helsing do filme homônimo, não é um guerreiro mas sim um médico, advogado e professor. Ele será a peça capaz de fazer frente ao Conde Drácula, mesmo duvidando da existência de criatura tão poderosa. Suas pesquisas na Holanda e seus contatos na Igreja Católica e em universidades da Europa Oriental vão lhe valer grande ajuda para confrontar o vampiro. Há ainda Lucy Westenra, amiga intima de Mina e se torna uma das primeiras vítimas do vampiro na Inglaterra. Lucy foi pedida em casamento por três cavalheiros no livro: o lorde Arthur Holmwood, o texano Quincey Morris e o Doutor Seward. Todos os três vão ajudar a compor o grupo que caçará o conde.

É interessante notar que quando os personagens conseguem se articular e trocar informações, a história vai se revelando para eles também, o que permite que entendam quem é o conde, o porque dele estar ali e como fazer para derrotá-lo. O livro se desenrola lentamente durante o tratamento de Lucy e as investigações na Inglaterra, mas quando os personagens conseguem acuar Drácula e ele resolve fugir para a Romênia, sua terra natal, começa uma desenfreada perseguição. Utilizando trens, carruagens, cavalos e barcos, o grupo vai tentar impedir que o conde chegue ao seu castelo, além de ter que lidar com as três noivas vampiras de Drácula. O final é, sem dúvida, impossível de ser lido em partes. Deseja-se sempre ler mais, até a última gota de sangue.

Esse é um vampiro de verdade! Embora pelo livro não seria um visual tão Hard Rock dos anos 80…

2 comments

  1. Quando eu li Drácula eu tinha uns 14 anos. Achei a ideia de contar a história por cartas e relatos genial. Ainda acho. É legal notar o papel da atração sexual na era vitoriana. E como coisas como celulares devem ter tirado parte do impacto do livro pras gerações mais novas.

    Minha edição favorita de Drácula é esta aqui, por causa do prefácio:
    http://4.bp.blogspot.com/-VeJxIc_t7tc/TqNfKLpNqkI/AAAAAAAAAXg/H5h3UTiAQs8/s1600/Dracula+Vampiro+Noite.jpg

    Mas a primeira que li foi uma luxuosa, com capa de couro.

    Pesquise sobre Anno Dracula. Sua mente vai explodir :)

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *