2011

Meme – O Que Você Jogou em 2011?

Este ano pra mim foi excelente pra jogos. Joguei muita coisa, e certamente alguns vão ficar na memória por um bom tempo. Não dá pra colocar todos – foi muita coisa mesmo – mas escolhi alguns que me divertiram bastante e que não havia postado sobre eles ainda :D
Portal 2 (PC)- É incrível como a Valve se superou nesta sequência. Comprei na pré-venda, e fiquei aguardando o lançamento de madrugada. Estava passando um mal danado, joguei uns 15 minutos e praticamente desmaiei na cama ^^ No dia seguinte me dediquei a fundo, e o jogo é fabuloso. Os prêmios na área de dublagem são mais que merecidos, o jogo é simplesmente hilário. Se lançassem um livro com os diálogos eu compraria. Bullying nunca foi um motivador tão forte e engraçado.
Burnout Legends (PSP) – Foi o jogo que mais joguei no PSP. O esquema de corridas curtas é muito viciante, a trilha sonora é muito boa, e a jogabilidade refinada. Eu não jogava um bom jogo de corrida fazia muito tempo, e Burnout Legends me mostrou que o DS simplesmente não tem poder para ter jogos satisfastórios no gênero de corrida que fujam do esquema Mario Kart.

Ys Seven (PSP) – Ganhei a linda edição de colecionador, mas ainda não terminei o jogo. É Ys, e isso já diz muita coisa em termos de qualidade. Mas os produtores parecem mudar bastante o modo de jogo de tempos em tempos. O estilo MMORPG é bom, mas eu gosto mais do de Oath. Faltam poucos chefes pra zerar o jogo, mas estas batalhas são tão exaustivas (no bom sentido) que prefiro pegar e terminar de uma vez que ir jogando aos poucos, e quando a oportunidade surgir os dragões vão se ver comigo!
Counter Strike (PC) – Até hoje não resisto a partidas curtas de CS. E por incrível que pareça jogo mais o 1.6 (ou Classic, cada lugar dá um nome) do que o Source. Não importa quanto tempo passe acredito que CS vai continuar sendo meu FPS predileto.
Gradius (PC Engine)- Joguei muita coisa de PC Engine, mas gastei mais horas em Gradius que em todos os outros juntos. E ainda não zerei! O jogo é difícil pra burro, e mesmo com os slowdowns em algumas partes ainda dá muito trabalho. Se é assim na versão pra PC Engine a de arcade deve ser assustadora.
King’s Bounty – The Legend (PC) – É uma sacanagem que este jogo não tenha o reconhecimento merecido. Jogo muitos games de estratégia, e ele definitivamente se destaca. Lembra um Heroes of Might and Magic, mas com muito mais profundidade. É muito difícil, bonito, com uma história legal e muitas inovações. É uma pena que não tenha multiplayer. Quando fizer um post só sobre ele baterei meu record de elogios.
Terraria (PC) – Este “Minecraft 2D” é muito mais viciante que parece. Juntar recursos e construir coisas é o foco, e pode parecer monótono, mas há uma satisfação em ter um castelo no inferno ou um palácio subterâneo que você fez que é difícil de explicar.
Magic The Gathering Duels of the Planeswalkers (PC) – Joguei Magic por muito tempo quando era criança, mas depois que a vice-diretora da escola pegou meu deck eu parei. A versão da Steam pareceu justa, estava barata e me rendeu muitas horas de diversão. Pode ter poucas opções para editar o deck, mas oferece uma experiência divertida sem abrir um buraco na minha carteira.
Outros blogs participantes:

·          Marvox Brasil

·         Canal Primastart

·         Fórum Retro Games Brasil

·         Retroplayers

·         Gagá Games

·         Passagem Secreta

·         Blog do Kyo

·         Glstoque

·         Game Sênior

·         Cosmic Effect

·         Gamer Caduco

·         The Twosday Code

·         Relíquias do Mame

·         Shugames

·         Santuário do Mestre Ryu

·         Memórias de Um Lobo de Madeira

·         Olha Mãe Meu Blog de Video Games

·         Alforje

·         How Far You Can Get

·         Super Controle Podcast

·         Game Genius

·         Game Play Blog

·         Stage Bonus

·         Vão Jogar!

·         QG Master

·         Museu dos Games

23 comments

  1. Opa, Gradius com slowdown (ou qualquer shmup né…) é sempre bem-vindo, hehe! Por curiosidade, tu jogou no PC Engine mesmo ou emulando (ou talvez no Wii que disponibiliza também)?

    Portal 2, tudo bem que é lugar comum elogiá-lo mas seu rápido post falou o que a gente precisava ouvir pra começar a jogar logo o danado.

    Abração!

    1. Slowdowns são os melhores amigos do jogador nos shmups ^^

      Você tem Portal 2 e não jogou ainda? Herege! Como consegue resistir aos este trailers? É sério, zere. Você vai ficar com um soriso no rosto por dias. E tem a melhor música de encerramento de um jogo ever – tá, talvez Zombie on Your Lawn empate, mas eu ainda dou vantagem pra GlaDOS. Só não te passo o link porque a música conta spoilers :D

  2. Magic é vida, né?
    Já joguei muito isso e sinto falta.

    Gostei da indicação.

    Só fiquei em dúvida sobre quais os consoles desses games, dá um update aê.

    Não sei como você consegue gostar de CS, mas tudo bem, eu te aceito.

    1. Valeu pela dica, consertei já. Compra Magic na Steam, é um jeito tão prático de reviver os bons tempos. Provavelmente as regras mudaram desde que você jogou, mas é fácil de aprender. E não esqueça de me adicionar na Steam se comprar: o id é heiderassamita, e eu sou uma porcaria no jogo, perco sempre ^^

  3. O Terraria tá na fila aqui, parece ótimo mesmo. Portal é outra mancha no meu currículo, tenho que jogar o 1 ainda… e esse Ys Seven me deixou com vontade de te matar, fatiar em mil pedaços e mandar cada um para endereços aleatórios no Japão. Ô inveja!

    1. Terraria é muito mais divertido no multiplayer. Funciona assim: você cria um personagem e explora mundos. Então tem como eu te chamar pra você me ajudar a matar um chefe em um mundo que eu criei, por exemplo. Ou pra dar suporte: é bem mais prático cavar com alguém segurando uma vela do seu lado, ou cuidando dos monstros.

      Em relação a Portal, tenho um último argumento para tentar te convencer a jogar: dá pra zerar numas 3 ou 4 horas. Só isso e você vai entender as referências a bolo que pintam em 9,8 a cada 10 blogs de jogos atuais ^^ E conhecer a robô mais divertida da história :]

      E é melhor eu nem contar que tenho a edição de colecionador de Tactics Ogre também…

  4. Eu sei que muitos vão querer me matar, mas eu não consigo gostar de Burnout. Pior, prefiro, e muito, Need for Speed. Zerei todos que sairam pra Psp. Vou tentar pela última vez, quem sabe o jogo se transforma numa grande diversão.

    1. O Legends tem muitas corridas normais interessantes. E é bom demais pra destrair, por ser pouco sério. Me recomenda algum Need? Meu UMD de Burnout tá quase arranhando de tanto uso, e eu quero um jogo de corrida novo mas não consigo me decidir.

  5. Cs 1.6 é um clássico e não tem como discutir.

    Adoro Magic. Me lembro em especial da carta Senhor das Profundezas (7/7), bons tempos. Não sabia que tinha essa versão para PC fica na lista: Comprar quando estiver em promoção.

    Tenho um preconceito sem motivos nenhum com Terraria. Quem sabe um dia?

    1. Eu também tinha preconceito contra Terraria. Um amigo meu foi muito insistente e me fez comprar. Mas acabei gostando muito. Imagine um metroidevania misturado com um balde de peças de Lego e você começa a entender a graça do jogo. Mas procure alguém para te ensinar, porque é muito fácil ficar perdido no começo ^^ Se comprar um dia é só me adicionar na Steam.

  6. Eu tenho uma baita curiosidade para conhecer o Terraria, já ouvi falar muito bem dele. Pena que meu PC está uma carroça ultimamente e não tá rodando nem Worms direito.
    King’s Bounty – The Legend parece legal também. Nunca tinha nem ouvido falar, para ser sincero.
    Gostei das escolhas, é bem difícil decidir quais jogos colocar. Também joguei muita coisa esse ano, acabei passando pelo mesmo. :)

    1. Terraria é levinho. Não tanto quando Worms, mas deve ser tranquilo de jogar. De todo modo baixe um pirata pra testar, deve rodar.

      King’s Bounty é um jogão. É fácil jogar horas e pensar que se passaram minutos. E ele limita o poder do jogador de uma maneira muito bacana. Nunca gostei de jogos de “estratégia” que se resumem a juntar um exército maior que o inimigo e atacar. King’s Bounty foge disso de uma maneira muito interessante: as criaturas que você pode comprar pro seu exército são limitadas. Não adianta ter grana se você não tiver com o que gastar. Só isso já faz uma grande diferença.

  7. Gostei do texto.
    Pena que eu não tenha um PSP para experimentar Ys Seven. E eu poderia ter incluído Portal 2 em meu artigo, mas estou enrolando um pouco para jogá-lo… pois existem outros títulos na frente (Mirror’s Edge, Call of Juarez: Bound in Blood…)

    Esse Gradius do PCE realmente é do cacete. Isso me lembra de que preciso montar uma enquete ou votação para descobrir quais são os shoot’em’ups preferidos do círculo blogueiro…

    1. Só os YS já fazem o PSP valer a pena. Assim como só os Dragon Quest já fazem a compra do DS valer a pena. Mas se pegar um PSP comece pelo Oath of Felghana, uma reimaginação do YS III e que pra mim é o melhor da série.

      Dá pra zerar Portal 2 em umas 8 horas no máximo. O multiplayer demora mais, e é mais difícil, mas vale muito a pena.

      E sobre shmups seria uma briga boa. Provavelmente Gradius ou R-Type venceriam, pois são mais famosos, mas tem muita coisa foda no gênero. Eu votaria em Jamestown :D

  8. Joguei muita coisa de PSP inclusive Burnout só que o dominator, mas um que eu joguei, gostei e recomendo é The 3rd Birthday, muito bom o jogo.

    E nesse ano pude jogar Sonic the hedgehog 1 e 2 do Master System, nostalgia pura, kkk

  9. Nunca joguei Portal mas sou muito curioso. Quando teve aquele dia que estavam distribuindo o primeiro de graça eu quase peguei, mas primeiro o site não funcionava direito no Firefox do Linux, e depois eu descobri que o jogo era muito grande pra baixar, acabei desistindo.

    Counter Strike é um jogo que eu tenho uma birra danada nunca curti, nas poucas vezes que resolvo jogar um FPS online gosto de jogar Wolfenstein: Enemy Territory.

  10. Nossa, Magic!! Há quanto tempo que não sei o que é isso. Concordo com você, o que mata em Magic é o rombo que faz no bolso. Cada deck ou booster é uma “nada” recheado de cartas inúteis e que só te fazem gastar mais ainda. Perdi umas boas noites de sono fazendo conta pra poder saciar minha fome com Magic. Isso que eu comprava pouco quando comparado com os barões que viviam na livraria trocando e comprando cartas.

    Bons tempos, pelo menos na lembrança – pq financeiramente eu não gosto nem de pensar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *