orgulho-e-preconceito-livro-capa-edit-martin-claret

Orgulho e Preconceito

O livro de Jane Austen pode não ser o mais admirado pela crítica, mas com certeza é o mais adorado por todos.

Jane Austen. Pelas biografias espalhadas pelo mundo inteiro é dito que ela é uma autora inglesa que viveu de 1775 a 1813 na Inglaterra. Que não se casou e que escreveu seus livros e os publicava na maioria das vezes anonimamente.
Mas Austen é mais que isso. Ela ilustra os costumes de sua época e ao mesmo tempo escreve personagens com caráter forte. Parece em alguns momentos até mesmo escrever sobre sua própria vida ou de seus familiares.


Orgulho e Preconceito é o livro mais conhecido de Austen e foi publicado em 1813, embora tenha sido terminado em 1797. A história se passa nos campos de Pemberley, Inglaterra nos meados do século 18.
O livro conta a história de Elizabeth Bennet no geral, mas apresenta alguns outros personagens e seus destinos. Elizabeth vive com seus pais e suas 4 irmãs Jane (que é a mais bela), Lydia (que é bem irreverente), Mary (que é boa, mas meio sem sal) e Kitty (que imita lydia em tudo o que faz). A história se passa nos campos de Netherfield, Inglaterra nos meados do século 19.
Quando o Sr. Bingley chega na cidade com seu fiel amigo Sr. Darcy, as famílias daquela região ficam em polvorosa para que suas filhas possam se casar com algum deles. Afinal de contas eles ganham muitas libras anuais.
Eles são apresentados a todos num baile que acontece na cidade e o Sr Bingley já se mostra interessado na Bennet mais velha e mais bela, Jane. Ele é bem sociável enquanto o Sr Darcy pode parecer um pouco carrancudo ou arrogante a primeira vista e já rejeita Elizabeth por não achá-la bonita o suficiente para ele.


A história então se desenvolve com apresentação de outros personagens, como o primo Collins, soldado Wickham, a amiga Charlotte e Georgiana irmã de Darcy. A medida que Elizabeth e Darcy se encontram percebe-se uma atração, conversas interessantes.


O livro também fala sobre o orgulho dos personagens, de amizades profundas, traições entre amigos, sobre como opiniões formadas podem cair abaixo. As tradições do século 18 servem de pano de fundo para entender como eram as relações humanas da época, tornando a história um clássico. O romance vivo sem qualquer tipo de contato físico, os casamentos arranjados e/ou por conveniência. Tudo parte de algo que parece ter sido há tanto tempo.  Num mundo distante, onde cartas e cavalheirismo tomavam conta do mundo.
A história na época conquistou a muitos, que ainda se espantavam pelo fato de ser escrito por uma mulher. Personagens inteligentes, interessantes e imortalizados que nos fazem sonhar nos dias de hoje.
O livro foi eleito o segundo preferido no Reino Unido, perdendo apenas para O Senhor dos Anéis. Na Austrália o prêmio de melhor livro é dele.
E com todo o sucesso é claro que adaptações não podiam ficar de fora. De filmes à séries vou comentar um pouco de cada. Existem muitas versões de filmes e séries, falarei dos mais conhecidos.

A série de 1995


Em 1995 a BBC produziu uma adaptação fantástica, para não dizer menos, de Orgulho e Preconceito. Com Colin Firth como Sr Darcy e Jeniffer Ehle como Elizabeth Bennet, a história foi bem adaptada e os atores ficaram até tiveram uma boa química. Não precisa ser dito que fez muito sucesso.

A série ajudou a alavancar a carreira de Colin Firth, que este ano concorre ao Oscar.
No filme “O diário de Bridget Jones” ele novamente assume o sobrenome de Darcy e interpreta um homem ideal assim como Darcy de Orgulho e Preconceito.

O filme de 2005


Em 2005 foi feita uma adaptação Hollywoodiana com Keira Knightley e Matthew MacFadyen. O filme ficou extremamente bem adaptado e nos leva pra dentro da história. O roteiro captou a essência da história com discussões intensas entre Darcy e Elizabeth. As paisagens, as danças as roupas, tudo cabe perfeitamente em cada cena, até mesmo os takes são precisos. Nem preciso falar da trilha sonora que foi até indicado ao Oscar de melhor trilha sonora.

Abaixo duas cenas que chamam mais atenção.

O baile, momento romântico e com trilha sonora mais que perfeita

Uma das discussões mais calorosas que tem…

Deve-se mencionar também duas outras adaptações nem tão fiéis ao livro.

“A noiva e o Preconceito”, filme Bollywoodiano, que mostra a mesma história, do mesmo jeito, embora seja situado na Índia atual.

E uma série de Tv que eu achei bem por acaso, Lost in Austen (algo como Perdido em Austen).
Amanda Prince é uma jovem que é ficcionada com Orgulho e Preconceito e por um acaso do destino ela tem um portal pras terras de Netherfield, bem no banheiro de casa. Ela acaba atrapalhando tudo quando “Troca” de lugar com Elizabeth Bennet e precisa colocar tudo de volta ao seu lugar antes de voltar pra casa….

http://www.youtube.com/watch?v=BfPmwtOOUOs

Menção mais que honrosa.

“Orgulho e Preconceito e Zumbis”
Sim, é isso que você leu. Em 2010 foi lançada uma versão de Orgulho e Preconceito com zumbis. E ficou bem legal. Já foi lançada a versão dele em português e foi considerado um sucesso no exterior


Bom, é isso aí.
O livro, os filmes ou séries são bem legais e não são romances adocicados e bobos como os de atualmente. É uma história interessante capaz de agradar mulheres e homens ^^

4 comments

  1. Gostei muito deste post sobre Orgulho & Preconceito.
    Este livro é inesquecível! Qual mulher hoje não gostaria de ter um Mr. Darcy hein?
    Bjs

  2. Mari, está me faltando só assistir Lost in Austen, Bride and Prejudice e ler Orgulho e preconceito e zumbis.

    Sério, Jane Austen rende assunto eternamente hein? É tudo de bom ^^

    ótimo post querida! Divulgá-lo-ei!
    beijos

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *