Le Logo das Cronicas Orcs

Krajahr Orkinish – Capítulo III (Parte 3 de 3)

Capítulo III

Cerveja! Cerveja!

Parte 3 de 3

Não aconselhável para humanos menores de 18 anos ou orcs menores de 6 anos. Este texto pode fazer alguma apologia ao consumo de bebidas alcóolicas, vísceras de animais quadrúpedes e/ou música de buteco.

[…]

Dison tocou duas vezes a sequencia de acordes e Kron começou um canto rouco e grave:

Eu tinha um porco

que chamava Salomão.

Um dia eu vendi ele

e comprei um garrafão!


De vinho, de vinho!

Um garrafão de vinho!

De uva fina e água da latrina!

Um garrafão de vinho!


Hoje eu bebo muito

mesmo num calabouço

Mas o taverneiro

é quem enche o bolso.


De ouro, de ouro!

Um grande saco de ouro.

Da cor da cerveja, que eu nunca mais veja

o meu próprio ouro!


Mas o taverneiro

é que é o viciado.

Pois com o dinheiro ele compra

tudo que bebo dobrado.


No último refrão o pessoal que estava próximo ao palco já estava cantando e balançando os canecos, entornando cerveja. Encerraram com um grande “Hey”.

– Obrigado, obrigado. – começou Kron – Estou muito contente de ter uma (Hic) platéia tão contente e agradável. – surgiu um risinho abafado.

– Alguem achou graça? – caiu um silêncio e todos se entreolharam. Disseram:

– Não, não. Que isso? Imagina.

Algum bêbado perguntou:

– Qual o nome desse seu grupo, Kron?

Kron não ouviu e já estava pedindo ao taverneiro:

– Tripas de bode? – Ekril fez sinal de positivo e foi arrumar uma cerveja com tripas de bode tostadas na manteiga.

O bêbado, porém, gritou:

– Tripas de bode! Tripas de bode! – E todos começaram a acompanhar. Quando calaram para ouvir a próxima música, lá no fundo alguem ainda continuou “Três pai que pode”.

Recontinuaram. Os Tripas de Bode ainda cantaram Canção do Rum, Na Floresta, Cerveja Cerveja, Whisky no Jarro, Alcool 120, Se Beber, Não Conduza e outras mais. Teriam continuado se Kron não tivesse desmaiado no meio de um caneco de aknek. Eles não receberam nenhum couvert.


Notas de tradução:

Aknek – cerveja maltada com vísceras, mel, coentro, açafrão e uma rodela do osso de um carneiro nascido no mês de setembro.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *