pyongyang

Pyongyang – A Journey in North Korea

Como grande fã de literatura de fantasia eu adoro mundos estranhos, lugares exóticos, raças com comportamentos, culturas e linguagens próprias. De vez em quando eu me encontro com obras que me fazem perceber que a  realidade é tão estranha quanto a ficção, e que meros anos são capazes de mudar completamente uma população inteira. Assim é Pyongyang – A Journey in North Korea.

Pyongyang é a capital da Coreia do Norte, teoricamente um país socialista. Na prática é uma ditadura totalitarista das que deixariam Hitler orgulhoso e Orwell inspirado. É o país com o incrível último lugar no ranking de respeito aos direitos humanos do mundo. Como toda ditadura, tem versões oficiais de fatos que podem ser facilmente questionados por qualquer um com o mínimo de raciocínio. Mas a Coréia do Norte é também um dos países mais fechados do mundo, por isso até as versões oficiais dos fatos mingam. Na prática ninguém sabe o que realmente acontece lá, e como o país é altamente militarizado as práticas de espionagem são restritas a países poderosos e que guardam estas informações como recursos táticos valiosos.

a46140be296918

Poucos estrangeiros conseguem autorização para morar no país. Um deles foi Guy Delisle, um quadrinista e animador. Ele trabalhava para uma empresa de animação francesa. Acontece que o trabalho mais chato e manual das animações como a criação dos frames que intercalam os frames principais costuma ser feito em países onde a mão de obra é mais barata. E como é de se suspeitar poucos países conseguem competir com o preço de ditaduras. Assim Guy Delisle foi morar dois meses na Coréia do Norte, servindo de ligação entre a filial francesa e a  empresa coreana que prestava serviços terceirizados. Suas experiências por lá renderam a graphic novel Pyongyang

Seus dois meses foram passados num hotel. Sempre acompanhado de um guia e um tradutor, ele teve contato com várias excentricidades do país. As curiosidades são apresentadas aos poucos, conforme vamos conhecendo o país. Isso vai desde o ódio extremo pelos americanos, que os norte coreanos culpam por todos os males do mundo (conheço pessoas que dariam bons norte coreanos) até os campos de concentração, que oficialmente não existem mas todo mundo conhece pessoas que foram parar lá.

081406_pyongyang02

Os detalhes de uma ditadura atual – mórbidos e desconcertantes por si só –  são o suficiente para fazer desta obra uma leitura obrigatória por quem se interessa por história e política internacional. Mas a cereja do bolo mesmo são as pessoas. Submetidas a lavagens cerebrais desde cedo elas vêem nos seus ditadores figuras quase divinas, com características e feitos tão exagerados que fazem qualquer um com o hábito de usar o cérebro esboçar um sorriso. É sério, o narcisismo do Kim Il-Sung (pai, morto) e Kim Jong-II (filho, atual Lider Supremo) é impressionante demais. Todo cômodo de toda casa, instituição ou empresa na Coréia do Norte tem que ter um retrato dos dois pendurado na parede. Todo mundo tem que usar broches com o rosto de um, do outro ou de ambos. Oficialmente eles inventaram coisas como eletricidade e milhares dos livros e artigos mais importantes do mundo…

O culto à personalidade junto com a ditadura gerou uma paranóia enorme. A quantidade de comida que você recebe é proporcional a sua lealdade ao regime. Você pode ser preso por denúncias. E há uma grave falta de itens fundamentais como comida, água potável e energia elétrica. As histórias oficiais não sequer são questionadas pela população, que acredita piamente nelas. Ao perguntar porque não há deficientes na rua Guy recebe a resposta que não nascem pessoas deficientes na pura raça coreana…

Pyongyang – A Journey in North Korea é um relato assustador e impressionante do momento atual de uma das maiores potências militares do mundo. Uma pena que não saiu no Brasil, O Marcelo Reis postou nos comentários que saiu aqui no Brasil, pela editora Zarabatana! Outra opção é comprar o original em inglês na Amazon ou outra loja que mande pra cá.

blog-guy-delisle-pyongyang-a-journey-in-north-korea1

2 comments

    1. Marcelo, desculpa a demora pra responder o comentário. Legal saber que saiu aqui :) Obrigado pela visita, e espero que tenha gostado da obra ^^

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *