Shining Featured

Shining Force

Publiquei o review abaixo originalmente no fórum RetroGamesBrasil. É muito bom, recomento que todos deem uma passada lá, nem que seja de vez em quando ^^ As screenshots eu roubei desse site, muito bom e completo. Por causa delas o artigo ficou gigante, mas fiquei com dó de diminuir o tamanho das imagens.


O Mega Drive teve poucos RPGs se comparado com seu rival Super Nintendo, mas nem por isso eles foram piores ou menos marcantes. Shining Force teve a honra de ser o primeiro RPG tactics a fazer sucesso no ocidente. Alguns dizem até que Shining Force é o primeiro jogo a ser realmente um RPG tactics, pois todos os que surgiram antes são bem mais focados em estratégia.


RPGs exigem em maior ou menor nível uma certa estratégia para vencer. Mas nos jogos tactics o jogador se porta como o comandante de uma equipe especializada, um pequeno exército. Em Shining Force a visão não é isométrica, como em jogos famosos do gênero. Você vê os personagens e o cenário por cima, e na hora das lutas a tela muda para uma cena da batalha. O resultado final é muito agradável.

O grande capricho nas batalhas não é por acaso. Horoyuki Takahashi achava uma besteira que RPGs fossem focados primordialmente na história. Ele era o presidente da Camelot, empresa que desenvolveu o bem-sucedido Shining in the Darkness para Mega Drive. O dungeon crawler fez um grande sucesso, mas isso não garantiu um orçamento maior para o próximo jogo. Mesmo assim Horoyuki resolveu arriscar, e mudou totalmente a jogabilidade para se adequar ao que desejava. Foi assim que surgiu Shining Force.

Horoyuki diz também que não há influência nenhuma de Fire Emblem no jogo da Sega. Se inspirando em um obscuro jogo pra computador japonês chamado Silver Ghost ele criou um jogo onde a história leva a batalhas grandiosas. O enfoque foi tão sério que metade dos 4 megas da rom são gastos apenas com batalhas.

Não há lutas aleatórias. Se há um embate é porque há uma razão na história pra ele acontecer, o que é muito imersivo. Não há nada de ficar andando no mapa matando lobos e goblins só para subir de nível. O griding em Shining Force é feito por uma magia do personagem principal que permite jogar novamente uma batalha mantendo a xp ganha. O que revela um aspecto interessante: embora possa ser feito, o griding não é essencial para terminar o jogo. Shining Force não é um jogo difícil, mas sem xp extra a coisa pode ficar bem complicada. As batalhas exigem estratégias diferentes, saber quando e de onde atacar é fundamental. Os terrenos influenciam nos ataques, e muitas vezes é melhor sacrificar alguém por uma posição vantajosa. Os personagens são desbalanceados, então conhecer cada um a fundo é importante. Principalmente porque dá pra ter no máximo 12 em batalha, e os personagens que ficam de fora não ganham XP.

Uma inovação interessante é o conceito de promoções. Quando algum personagem atinge o nível 10 o jogador pode pedir para que o padre na igreja o promova. Ele volta para o nível 1, mas com status melhores, um visual novo mais agressivo e uma nova classe. Se o jogador tiver paciência é melhor esperar os personagens chegarem ao nível 20 para promovê-los, já que assim eles ficam mais poderosos.

Há vários segredos pelo jogo. Desde itens poderosos e personagens secretos a roupas e brincadeiras. Um dos mais famosos é Yogurt, uma criatura que é mascote do jogo. Ele é um desastre em batalha – dá apenas 1 de dano e tem status ridículos – mas é carismático. Se você conseguir derrotar um inimigo com ele você ganha um item especial chamado Yogurt Ring. Ele quando equipado deixa o personagem com o visual do Yogurte. Inútil, mas simpático. Além disso há um biquíni pra maga Tao e vários itens sem utilidade.

A história é muito interessante, cheia de estilos diferentes. O cenário de fantasia medieval clássica, mas há vários itens contemporâneos como bazucas e rifles. Há robôs com design steam punk e robôs com design mais futurista, e a história vai ganhando um clima de ficção científica com o passar do tempo. O jogador controla Max (é o nome oficial, embora o jogador possa mudar se quiser), um órfão que foi criado pelo valente Lorde Varios no próspero reino de Guardiana. Mas a paz não dura muito, pois Darksol manda seus vassalos destruírem e vila. Eles matam o rei e Lord Varios, deixando tudo em ruínas. Max então junta um grupo de amigos, formando a Shining Force, e partem para deter os planos de Darksol de ressucitar o antigo Dark Dragon.

A história parece bem clichê, mas várias reviravoltas acontecem para manter o interesse. Os cenários por onde a Shining Force passa são bem variados e gostosos de explorar. Max é o típico herói sem falas dos RPGs, com a diferença que ele se torna mudo de verdade no decorrer da aventura. As histórias dos outros personagens praticamente não são desenvolvidas, e o enredo preza pela simplicidade. Mas a maneira como as batalhas se ligam à história cativa, e o resultado é um jogo divertido e leve na versão ocidental e um pouco mais série e mais pesado na oriental. O final é muito bom e original, e deixa um gosto de quero mais sem parecer incompleto.

Muitos erros foram cometidos na localização. Os mais óbvios são os nomes mal traduzidos, mas muito foi perdido. Um dos maiores vilões é irmão do protagonista, fato que foi sumariamente cortado da versão americana e européia. O nome de algumas magias foi alterado, entre outras coisas. O resultado disso são furos na história e dificuldade para compreender as continuações.

Nos aspecto técnico Shining Force é muito bom. A jogabilidade é fluida e rápida, e agrada até hoje. É fácil ver as informações na tela, os inimigos não demoram muito tempo pensando e a AI é razoável. O visual é muito bacana e icônico. Tudo é muito colorido e bem variado. O estilo dos personagens varia do mais puxado para o mangá a um estilo mais cartunesco parecido com os traços Disney. Shining Force tem uma identidade visual facilmente reconhecível. As músicas são memoráveis, assim como os efeitos sonoros, e fazem milagres com o fraco chip sonoro do Mega Drive.


Shining Force deixou sua marca. Foi um dos RPGs mais idolatrados e influentes do Mega Drive, mesmo com o orçamento apertado. O estilo agradou mais que Shining in Darkness, então os próximos jogos na franquia foram tactics também. É bom notar que a continuação direta não é Shining Force II e sim Shining Force Gaiden, lançado para Game Gear. Ele continua em Shining Force Gaiden II – Sword of Haya, também para Game Gear. Só o segundo jogo foi localizado para inglês no portátil, mas ambos foram lançados nos Estados Unidos em uma compilação para Sega CD chamada Shining Force CD, com alguns capítulos extras. Eles continuam em Shining Force Gaiden – The Final Conflict, para Game Gear, que nunca foi lançada oficialmente em inglês mas foi traduzida por fãs. E é depois deste jogo que cronologicamente entra Shining Force II, lançado para Mega Drive nos Estados Unidos e que também foi um grande sucesso. Shining Force III foi lançado para Saturn em 1997, sendo composto de três cds. Só o primeiro foi oficialmente lançados em inglês, mas os dois outros foram traduzidos por fãs. Foram criados vários jogos que se passam no mesmo mundo, mas sem o carisma e a popularidade da série tactics.

Em 2004 foi lançado um port de Shining Force para Gameboy Advance chamado Shining Force – The Ressurection of the Dark Dragon. Uma tradução mais fiél foi feita, capítulos adicionados, mudaram os gráficos de batalha e vários novos elementos foram criados. O jogo ficou mais fácil também. Já o Shining Force original foi relançado diversas vezes. Dá pra encontrá-lo no Wii, no PS3, no Xbox 360, Dreamcast, Steam, iOS e vários outros sistemas. Além disso o jogo é facilmente emulado, rodando sem problemas em dezenas de dispositivos.

A quantidade de fãs da série é enorme, o que pode ser comprovado pela quantidade de traduções e pelos sites de qualidade encontrados pela internet. Há um port do segundo jogo sendo criado para Nintendo DS, um fan game para PC e muito mais para pesquisar. O universo Shining Force é muito rico e envolvente, e sobrevive graças aos esforços de fãs que não deixam que os jogos caiam no esquecimento.

5 comments

  1. que artigo foda cara. uma serie que vale a pena ter novos jogos. queria saber se tem os 3 senarios de shining force 3 emulado em ingles.

    se tiver como fazer um tutorial pros leigos em emulação de sega saturn rs.

    valeu mano

    1. Obrigado ^^ Os dois primeiros cenários foram oficialmente lançados em inglês. Já o terceiro foi traduzido por fãs, se você encontrar a iso original é só aplicar este patch:
      http://www.romhacking.net/translations/945/

      Eu nunca fiz um tutorial sobre emular saturn, na época que peguei o emulador ele ainda não tinha suporte a core i3. Mas o Cosmão fez um ótimo tutorial. Boa sorte com o emulador (você vai precisar, Saturn é um saco pra emular ^^):
      http://shugames.blogspot.com.br/2012/02/tutorial-emulando-o-sega-saturn.html

  2. Franquia de grande nome essa, pena que eu não consiga jogar rpg tático. Já tentei Bahamut Lagoon, FF Tactics, entre outros mas não me adapto ao sistema de batalhas, Custei aprender a gostar de RPG em turnos justamente por causa disso, quando é tático então, aí que fica difícil. Mas de qualquer maneira, um belo post sobre um belo jogo.

  3. Sabe o que é engraçado? Eu NUNCA joguei Shinning Force algum… e adoro RPGs táticos! É quase um paradoxo, ainda mais vindo de alguém que passou a infância e adolescência jogando Mega Drive!
    Pra falar a verdade, recentemente (lá pra final de Fevereiro) tentei algum dos jogos pra alguma plataforma, acredito que foi justamente a de Mega Drive… só que não lembro direito. Por isso continuo contando como se nunca tivesse jogado, mas o pouco que vi pareceu legal. Ainda mais as cenas de ataque e talz.
    Gostei do lance do Yogurt! Acaba dando um desafio a mais pro game, vc fica querendo conseguir derrotar inimigos com ele só pra se divertir mesmo!
    Triste são os problemas de localização, pra quem quiser curtir a história. Conheço outros jogos do gênero que tiveram esse problema também.
    Provavelmente existe uma versão traduzida por fãs que tenha a história oriental exatamente como é ou próximo disso, não tem?
    Muito bom o texto, mais um jogo que fico curioso pra conhecer melhor!
    Abraço

    1. Poxa vida, você tem a obrigação de jogar Shining Force :D Ele pode ser o vovô do gênero, mas continua muito divertido. Há um patch que traduz do japonês original para o inglês. Mas não consegui encontrá-lo em uma busca rápida no Google ¬¬ Tem uma tradução para português também, se te interessar:
      http://forums.shiningforcecentral.com/viewtopic.php?f=3&t=21006

      Outra coisa: ao contrário dos RPGs atuais que duram trocentas horas Shining Force é rapidinho. Vale muito a pena dar uma olhada ^^

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *