Snarf

Thundercats (2011)

Thundercats é um grande clássico no Brasil. Passou incontáveis vezes na tv aberta, e deixou marcas profundas na memória popular. É uma das melhores animações americanas dos anos 80. No fundo é apenas uma série criada pra vender brinquedos, mas se destaca de seus semelhantes pela animação e musica bem trabalhadas. Afinal não foi produzido pelo Hanna Barbera, e sim pelo Rankin/Bass ^^ Como de costume a empresa contratava profissionais orientais para fazer parte do trabalho. Em 2011 a Warner Bros(atual detentora dos direitos) lançou uma nova série animada dos Thundercats. Ela age como um reboot, ignorando as 4 temporadas e o filme anterior. A animação foi toda realizada pelo Studio 4ºC, famoso por obras como Tekkon Kinkreet, The Animatrix e Halo Legends. Por ser japonesa é claro que os houve fãs revoltados. Mas como eles provavelmente não sabem que Thundercats sempre teve uma pata no Japão é fácil ignorar estas reclamações e se focar na qualidades.

Thundercats (2011) é muito bom. Tem apenas 13 episódios, mas consegue reverenciar a série antiga e ainda assim ter personalidade própria. Muito das coisas mais viajadas dos anos 80 foram sumariamente ignoradas. Assim, pelo menos nestes 13 episódios, não se encontra nada a respeito de viajens interplanetárias, capsulas de congelamento e similares. Thundera é um reino, não um planeta. Mas muito da essência se mantém. Lion-O não é uma criança, mas age como uma. Panthro continua badass, mas agora é um General. E alguns personagens estão bem menos irritantes. Havia um boato na internet que Snarf falaria – na dublagem americana orignal ele não fala. Ele continua apenas um animal de estimação, mas muito mais simpático e divertido que antes. WilyKit e WilyKat também estão muito melhores nessa versão, ainda mantendo a independência e o espírito de aventura. As relações entre os personagens são muito mais desenvolvidas. Eles agem menos como uma espécie de Liga da Justiça e mais como um grupo de amigos com um interesse em comum. E há muitos conflitos entre eles.

O piloto é feito de dois episódios. Os thunderians são uma raça de felinos humanóides que dominam as outras raças pela força. Se organizam de forma monárquica e são altamente militaristas. O herdeiro direto da Espada Justiceira, Lion-O, é tido como um sonhador mimado. As pessoas adimiram muito mais seu irmão mais velho, Tygra. Mas quando o reino é atacado pelos lagartos e uma traição coloca tudo em risco resta a um pequeno grupo – os Thundercats – a salvação do que restou de sua pátria. No piloto há um enfoque social que infelizmente não é mais deselvovido. Mas os episódios são muito bons de qualquer maneira. E embora ele implique numa continuação direta os episódios seguintes vão perdendo o foco, se tornando praticamente aventuras isoladas. Apenas nos epísódios finais o senso de urgência e o clima épico retornam.

A animação, como era de se esperar, é muito boa. O Studio 4º C mostrou que não estava pra brincadeira. O character design novo é muito agradável – Cheetara em especial ficou muito bela e sensual sem parecer vulgar. Os personagens mais esbeltos combinam mais com felinos, e as lutas e cenas de ação são rápidas e bem trabalhadas. Os efeitos de luz e sombra e as cgs nos lugares certos agradam. As guerras deixam um pouco a desejar, são muito paradas, mas dentro do orçamento de uma série pra TV são aceitáveis. Já as músicas são fracas, e não embalam tanto quanto no Thundercats original.

Há referências da série antiga em todos os episódios, das mais escrachadas a coisas bem obscuras. Algumas sâo praticamente easter eggs. O roteiro não deixa muitos buracos, e consegue evitar um problema antigo: a reutilização de vilões. Mumm-Ra perdia a graça depois de um tempo, já que ele sempre estava por trás de tudo e sempre era derrotado no final. Do mesmo jeito repetitivo. Parecia um episódio de Power Rangers, onde o vilão sempre fica gigante depois de tomar uma surra e depois é derrotado pelo Megazord com um ataque especial. Já na nova série dos Thundercats os antagonistas são mais variados. Não apenas em aparência como em poder e motivações. Pra uma série focada em um público infantil os roteiros são muito bons. E há algumas surpresas que certamente vão pegar os adultos desprevenidos.

Como um reboot Thundercats cumpre bem seu propósito. Os fãs de longa data que deixarem o preconceito de lado tem muito o que aproveitar, e os mais novos que não conhecem a série antiga certamente vão gostar da nova. Os episódios do meio são fillers, mas mesmo assim mantém uma qualidade alta. E o final é surpreendentemente. É aguardar que venham novas temporadas, e que a nova série crie tantos fãs quanto a antiga criou.

5 comments

  1. Confesso que ainda não vi esse novo, na verdade estava bem por fora que nem sabia que já tinha sido lançado algo, última vez que tive notícias de que sairia tem muito tempo. Mas parece interessante, eu era bastante fã na infância, mesmo hoje não me recordando de muitas coisas sobre o desenho.
    Vou ver se consigo conferir os dois primeiros episódios pelo menos.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *