Torchlight 2

Torchlight II

Quando comprei meu primeiro computador, lá em 2005, ele conseguia rodar praticamente tudo. Com seu processador Pentium 2.3 Ghz, 256 megas de ram e 40 gigas de HD ele era uma máquina até desejável :P Infelizmente conseguir jogos emprestados era mais difícil. Poucas pessoas tinham gravadores de CD, e eu não tinha tantos amigos assim. Consegui os 4 CDs de Diablo 2 emprestado, e ele foi o primeiro jogo pra PC que instalei e o primeiro que zerei. É um jogo excelente para jogar com os amigos, mas zerei sozinho mesmo, durante algumas madrugadas.

Pra quem não conhece Diablo é uma série de actions RPGs em um cenário medieval sombrio. Destruir esqueletos, goblins e dragões é praticamente um estilo de vida nos videogames. E não vai mudar tão cedo. A grande inovação, a meu ver, veio em pequenos detalhes. Os itens aleatórios que os monstros deixavam cair quando mortes e que se combinavam em vestimentas poderosas. O foco em lidar com grandes quantidades de inimigos, e não com poucos inimigos mas poderosos. As masmorras geradas aleatoriamente. Os mapas mostrando o que foi e o que não foi explorado. A junção disto tudo era muito maior que a soma das partes separadas. E como tudo que faz sucesso o jogo ganhou seus vários clones.

Diablo-II-+-Lord-of-Destruction-ScreenShot-1
Diablo II, onde tudo começou

Destes vários clones o único que zerei foi Shadowflare. Os outros eu ia deixando de lado. E o que mais fez sucesso foi Torchlight, o primeiro. E pra deixar bem claro: é um clone descarado. Até os portais de voltar para a cidade e de identificar itens foram copiados. Só que sai o visual sombrio e entra um bem mais cartunesco. E a ligação com a Idade das Trevas deu lugar a um mundo steampunk, completo com robôs e armas de fogo enormes.

Eu não exatamente comprei Torchlight. Ele veio num Humble Indie Bundle. Instalei, joguei três horinhas e larguei. Ele tem versões para Windows, Mac, Linux e Xbox Live. Mas faltava algo fundamental para o estilo: multiplayer. E a produtora anunciou que a continuação viria com multiplayer. Mas Diablo III finalmente seria lançado. E começou uma disputa entre fãs como eu não via há tempos.

2013-08-05_00011

Diablo III não é pra mim. Não sou fã de microtransações, gosto de ter a opção de jogar offline e gosto de escolher meus poderes. Acredito que seja um excelente jogo, que sofreu um pouco com a própria fama da franquia. As expectativas eram altas demais. E Torchlight II veio comendo pelas beiradas e ganhou uma aclamação consideravel.

Há quatro classes: Engineer (equivale a guerreiro), Berserk (equivale a bárbaro), Embermage (equivale a mago) e Outlander (equivale a pistoleiro). Elas são bem diferentes umas das outras. Outro detalhe é que as armas mudam o modo de ataque. Eu zerei o jogo com um Outlander, então vou usar ele de exemplo. Você pode atacar com duas pistolas, mas elas tem um alcance menor. As escopetas atingem um ângulo maior de inimigos, mas exigem as duas mãos. Os arcos tem um ótimo alcance mas só acertam um inimigo por vez. Canhões tem um arco enorme, mas são lentos. E as bestas são como arcos, porém mais lentas e causam mais dano. A quantidade de estilos diferentes de jogar é gigante. E olha que eu nem falei dos outros equipamentos ou das skills. Ou das magias.

torchlight-2-splat

Torchlight II é incrivelmente divertido e viciante, e rende mais de 20 horas de aventuras. Há muitas masmorras para explorar, e dezenas de chefes, subchefes e monstros comuns. Os monstros se integram com os cenários muito bem. Você vê os pássaros voando pelo cenário antes de te atacar, ou quebrando os vidrais de um santuário dragão para te atacar. Alguns chefes são especialmente chamativos, saindo de buracos ou sendo conjurados apenas para tentar te matar. E os cenários! Lindos e criativos. Os efeitos de partículas adicionam movimento a tudo, seja com chuvas, fumaça, névoa ou fogo. E há pequenos e inofensivos animais prontos para serem pisoteados. Torchlight tem uma identidade visual bem definida, e é muito leve. Pena que as screenshots da Steam deste jogo fiquem tão apagadas.

Eu não faço ideia da história do jogo :) Não devo ter lido nenhuma descrição das missões. E não fez falta. Torchlight II é feito pra ser um quebra-pau entre um herói e uma legião de monstros, então eu não me interesso pelo porque estou matando – só quero matar. O jogo inclusive facilita isto, mostrando exatamente onde você tem que ir pra fazer as missões. Quase não há puzzles, e quando eles existem são boçais. A ação não para nunca.

2013-07-17_00001

E por último o mais divertido: animais de estimação. Há 11 tipo diferentes. Eles atacam monstros, usam magias, compram poções, vendem os itens na cidade… Fazem sua vida mais fácil e prática. É possível pescar no jogo, e os peixes podem ser dados para os seus pets. Quando os consomem eles ganham melhorias nos atributos ou viram outro tipo de animal. São verdadeiros companheiros, e até bate uma solidão quando estão distante.

Para coroar tudo o jogo tem suporte a mods. Há alguns que facilitam, que dificultam, adiconam mais pets, dão itens, aumentam o tamanho do inventário… Dá para personalizar bastante. Há até pacotes de textura que alteram bastante o visual do jogo. E se as dezenas de horas da campanha original não te satisfazem é possível ir além. Após zerar o jogo é habilitado o modo New Game Plus, que te permite fazer novamente a campanha, mas com o mesmo personagem com todas as skills, níveis e equipamentos, e enfrentando monstros mais poderosos. Ou então visitar os mundos de outros jogadores para ajudá-los. A comunidade é enorme e muito ativa.

Torchlight II é de certa forma nostálgico aos fãs de Diablo, mas sem feder naftalina. Eu gastei várias horas com o jogo, fazendo as mesmas coisas, e foi tão agradável que nem pareceram poucos minutos. E é um daqueles jogos que devem agradar todo mundo. E pelo menos tirou minha vontade de jogar Diablo III por alguns anos :) Recomendadíssimo.

2013-08-04_00005

5 comments

  1. Torchlight II foi uma grata surpresa! É divertido, empolgante, possui muitos elementos e possibilidades interessantes. É cartunesco de fato, e streampunk, mas o que diabos há de medieval e sinistro na porcaria do Diablo III?

    Diablo III acabou virando um jogo de um público único: aqueles caras que se dedicam a explorar o comercio para converter em grana. Todos os demais ficaram marginalizados pela incrível árvore de problemas que o jogo possui.

    Nesta linha “matar e pilhar” ainda surgiu um grande jogo que é o Marvel Heroes! Que é aquela ação sem parar um segundo por causa da quantidade de inimigos que brotam e chefes realmente trabalhosos de matar. Muitas vezes você tem que atuar em grupo para um desempenho eficiente já que os chefes possuem modificações de dano que fazem com que determinados personagens sejam mais eficientes em uns que em outros. É muito divertido e tem uma skill tree empolgante pois você pode focar só no que quer. Minha namorada, por exemplo, focou em apenas dois ataques, uma defesa e passivas com o Colossos e ficou uma coisa brutal! :D

    1. A Blizard certamente danificou um pouco da fama da série Diablo. Imagino que Diablo IV, quando surgir, vai ser mais humilde e confiar menos na capacidade dos fãs de fazer tudo por uma franquia.

      Eu vi quando o Marvel Heroes lançou na Steam, mas não animei baixar. Tinha muitos gigas. E, pior, tinha poucos personagens. Então os comentários que eu vi é que era comum ver parties só com personagens repetidos e coisas assim. Sabe se consertaram e adicionaram mais personagens?

      1. É comum, no Marvel Heroes, você ver outro personagem como o seu. Mas dois ou três… Ver só personagens do mesmo herói na tela eu nunca vi. Sei que tem um leque razoável de personagens, dos que me lembro agora são: Hulk, Colossos, Coisa, Scarlet Witch, Pantera Negra, Wolverine, Tempestade, Miss Marvel, Ciclop, Arqueiro Gavião (se não me engano), Demolidor, Fênix, Deadpool, Homem Aranha e há uma semana mais ou menos lançaram o Torcha.

        O jogo é grande mesmo e saem atualizações grandes, geralmente incluindo heróis ou modificando efeitos visuais. Por exemplo, na ultima atualização foi modificado um escudo destrutivo da Scarlet Witch (notei pois jogo com ela) antes ele era muito colorido, agora ficou mais discreto.

        Também tem mais customizações, então mesmo sendo o mesmo herói muitas vezes está com uma roupa diferente. Eu tenho curtido muito, o drop é inteligente, o craft é muito empolgante, todos os itens acabam tendo alguma utilidade…

        1. Já melhorou :) Vou deixar baixando aqui, e depois tirar minhas próprias conclusões. Provavelmente jogando com o Pantera Negra. Adoro ele, e fico até surpreso que tenha aparecido no jogo. Normalmente é subutilizado…

          1. No jogo eu tive a suposição de que estão repaginando o Pantera para que, talvez, ele venha a concorrer com o Batman. É um dos personagens interessantes do jogo pelo que vi de gente jogando com ele (não o tenho). Aliás eu tenho poucos personagens, pois ainda não pensei em comprar. Quando você entra no jogo você pode optar por um, mas é entre 5 selecionáveis: Coisa, Tempestade, Scarlet Witch, Demolidor ou Arqueiro. Depois é comprando ou dropando durante o jogo.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *