Miles

Ultimate Comics Spider-Man v. 02

Entre DC e Marvel sou muito mais DC. Desde sempre. Mas leio hqs com frequencia, e teria que ser muito idiota pra deixar conferir uma coisa ou outra na Casa das Idéias. E a mudança em Ultimate Comics Spider-Man no final do ano passado me deixou de queixo caído.

Os que não são bem familiarizados com quadrinhos certamente precisarão de sem introduzidos ao universo Ultimate. O grande problema dos comics é a eterna repetição – em suas décadas de publicação personagens como Superman mantém basicamente a mesma essência, lutam basicamente contras os mesmos vilões e vivem basicamente as mesmas aventuras. A Marvel tenta aliviar isto com a linha Ultimate. Ela não é a linha principal da editora, servindo para dar mais liberdade para os roteiristas. Nela é possível ousar. E nela Peter Parker está morto.

As mortes de heróis normalmente  sempre são momentâneas. A Marvel faz poucos anos jurou que o Capitão América continuaria morto, mas no final eles sempre voltam. O que não impede que muita coisa seja feita até as ressureições. Peter Parker está morto, mas o Homem-Aranha não. Surgiu Miles Morales, o novo lançador de teias (que até o momento não consegue lançar teias ^^).

Miles é um garoto filho de um negro e uma latina. Apenas isso já serviu para deixar os conservadores em polvorosa. Em primeiro lugar porque ninguém fã costuma gostar que mexam nas coisas nos seus itens de idolatria  – e se tem um personagem idolatrado é o Homem-Aranha. E mais importante é o fato que comics eram feitos pro cidadão americano, sexo masculino, branco e de classe média. Procure negros, latinos, estrangeiros e você dificilmente vai encontrá-los em papel de destaque. Desde já surgiram críticas dizendo que era propaganda política pro Obama, etc. A cor da pele parecia muito mais importante que a qualidade das histórias que não haviam nem sido lançadas. Mas os roteiristas tem feito um trabalho exemplar, que serviu pra calar a boca de muita gente.

Miles é um praticamente uma criança. É filho de pais pobres mas dedicados, que se esforçam pra dar o melhor a seu único filho. Um garoto dedicado nos estudos, mas sem muita aptidão social. Ou seja, é um zé-ninguém com um futuro praticamente destinado a mediocridade. Isso começa a mudar quando ele consegue uma vaga em uma ótima escola pública. O modo de entrar era por sorteio. Como sua mãe disse, uma loteria.

Mas sua vida dá outra guinada, desta vez muito mais marcante. Norman Osborn vinha tentando recriar o fórmula que resultou no Homem-Aranha original através de modificações em aranhas. O tio de Miles é um ladrão de grande capacidade, que ao roubar algo desconhecido da sede da OSCORP acaba levando uma dessas aranhas na bagagem sem perceber. E esta aranha acaba picando Miles, e conferindo poderes parecidos com os de Peter Parker.

A história não significaria nada não fosse a personalidade de Miles. Ele representa hoje o que Peter representava nos anos 60. Não está feliz com seus poderes, quer apenas ser uma pessoa normal e viver sua vida em paz. Mas tem um bom coração, e sempre ajuda quando há alguém em perigo. É cheio de dúvidas, como qualquer garoto de sua idade. E tem que aprender a crescer enquanto lida com suas novas responsabilidades.

O traço é muito bem feito, com enquadramentos naturais e ritmo muito bom. Até o momento foram lançadas 5 edições, e é agora que a história (ao que parece) vai assumir um estilo mais épico. É imperdível pra fãs de hqs, e sinceramente seria a série que eu recomendaria a quem nunca leu quadrinhos antes e quer acompanhar algo atual. Em um mercado onde a violência e sensualidade parecem ser os maiores atrativos pros leitores Ultimate Comics Spider-Man se centra na velha fórmula de roteiros sólidos e muito carisma. Melhor impossível.

5 comments

  1. Eu não sou muito de ler HQs, mas gosto de histórias. E essa me parece muito interessante, bacana mesmo a idéia da Marvel em matar o Peter Parker e criar um novo Homem Aranha, ainda mais nessas condições que você descreveu em seu post (roteiros sólidos, carisma, sem violência e sensualidade). Muito difícil encontrar algo “não apelativo” assim nos dias de hoje.

  2. é por isso que o univerço ultimate foi lançado… pra fazer uma linha do tempo paralela a a linha real, que esta em um loop eterno… entao nao tem porque criticar… o trabalho esta otimo e a arte tabem, entao… voa la…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *